}
Digestão Difícil e Carboidratos Complexos

Digestão Difícil e Carboidratos Complexos

digestao-dificil-carboidratos-complexos-planeta-intestino-blog

CARBOIDRATOS COMPLEXOS:

Os Carboidratos também chamados de Glicídios ou Açúcares, são a principal fonte de energia para os seres vivos e também participam da estrutura do nosso Genoma (DNA e RNA). Logo, a sua importância para nós é fundamental e deve estar presente na nossa dieta diária.

Porém, existem alguns Carboidratos chamados Complexos (Oligossacarídeos), em que a digestão é mais complicada, e pelo fato de algumas pessoas terem a deficiência de uma enzima chamada ALFA GALACTOSIDASE, quando se alimentam com estes, ocorrem:

  • Dor Abdominal (na Barriga);
  • Distensão Abdominal (Barriga “inchada”);
  • Plenitude Pós-Prandial (sensação que ingeriu uma quantidade grande de alimentos e na verdade foi pouco);
  • Digestão Lenta.

Veja a lista abaixo, quais são os Carboidratos Complexos:

  • CEREAIS: arroz, aveia, centeio, cevada, milho, granola, trigo
  • FRUTAS: banana, damasco, uva, laranja, kiwi, maçã
  • LEGUMES: feijão, ervilha, beterraba, grão de bico, lentilha
  • OLEAGINOSAS: amendoim, amêndoas, avelã, castanhas, pinhão, nozes
  • VEGETAIS: alho-poró, batata, brócolis, cebola, cogumelo, couve, pimentão, repolho

Se você tem os sintomas acima citados após se alimentar com alguns destes alimentos, possivelmente você tem deficiência da Alfa Galactosidase.

A boa notícia é que já existe à venda nas farmácias esta enzima, para ser utilizada nas refeições, porém procure o seu médico especialista para lhe prescrever a dose correta e lhe pedir exames apropriados antes, para descartar outras patologias como Colelitíase (“pedra na vesícula”), Esteatose Hepática (“gordura no fígado”), Gastrite e Úlcera, Doença do Refluxo Gastro-Esofágico, entre outros.

50

Tratamento das Hemorróidas

Tratamento das Hemorróidas

planeta-intestino-tratamento-das-hemorroidas

Inicialmente, vale ressaltar que Hemorroidas “Internas” todas as pessoas têm, pois estas estruturas vasculares fazem parte da nossa anatomia do canal anal desde que nascemos, por isso é incorreto dizer que tal pessoal tem Hemorróidas  e outra não, pois todos os indivíduos apresentam. Por isso, que os especialistas no assunto (Coloproctologistas) frisam em chamar de “Doença” Hemorroidária, que são quando estes vasos dilatados  estão causando algum tipo de sintoma. Todos nascem com três mamilos hemorroidários internos, e ao longo da vida pode-se adquirir, em média, mais três mamilos internos secundários.  Já as Hemorróidas Externas, algumas pessoas desenvolverão e outas nunca terão.

As Hemorróidas  Internas podem causar: prurido anal (coceira), ardência, sangramento anal ao evacuar, sensação de umidade no ânus, e quando os mamilos internos estão muito volumosos podem apresentar:  tenesmo (sensação de vontade constante de evacuar), prolapso ao defecar (nota que saem para fora ao evacuar, sendo que em alguns casos retornam espontaneamente e em outros casos necessita-se ajudar com a mão para colocar para dentro). Já as Hemorróidas  Externas, que dificilmente aparecem sem antes as internas estarem aumentadas, podem causar: dificuldade de higiene anal,  edema anal (ânus inchado), dor local com Hematoma Perianal ou Trombo Hemorroidário.

O tratamento das Hemorróidas Internas e Externas são diferentes. Os mamilos externos o tratamento é sempre cirúrgico, e indicado principalmente nos pacientes com muitas queixas.  Já o tratamento das Hemorróidas  Internas, está sendo indicado cada vez mais precocemente, como forma de profilaxia /prevenção para evitar um procedimento cirúrgico a nível hospitalar, por isso o recomendado é que no início dos sintomas, já procurar um Coloproctologista. Quando as Hemorróidas forem Mistas ( existirem as Internas e Externas juntas) deve-se operar.

Os tratamentos são inúmeros, dependendo do Tipo (externas e/ou internas) e do Grau das Hemorróidas  (I,II,III e IV grau), sendo que muitos são realizados em consultório : laserterapia endoanal , crioterapia, infra-red (infravermelho) , ligadura elástica,  escleroterapia com ácido fênico e /ou glicerina, PPH, entre outros.

Vale salientar, que tratamentos realizados para doenças hemorroidárias com pomadas, supositórios, comprimidos para varizes, são apenas paliativos, sendo que o problema não é resolvido, apenas amenizado, sendo que a pessoa vai postergando o tratamento definitivo.